13 novembro 2011

Voluntário, eu?!


 
Segundo definição das Nações Unidas, "o voluntário é o jovem ou o adulto que, devido a seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividades, organizadas ou não, de bem estar social, ou outros campos".
Ser voluntário é doar seu tempo, trabalho e talento para causas de interesse social e comunitário e com isso melhorar a qualidade de vida da comunidade. Qualquer pessoa pode ser voluntária, independente do grau de escolaridade ou idade, o importante é ter boa vontade e profissionalismo já que existem regras a seguir, por mais meritória que seja a causa.

Como faço para me tornar um voluntário?

Você pode começar uma ação voluntária identificando uma causa ou necessidade social e descobrindo uma maneira de colaborar. Pode procurar um centro de voluntariado ou uma organização social perto de você, existem muitas entidades que precisam de voluntários e com certeza há uma perto de você, veja se a área de atuação da entidade está de acordo com a sua intenção de trabalho, e depois da escolha marque uma visita para conhecê-la pessoalmente.

 Como participar ativamente como voluntário?

Realizando ações individuais - Profissionais liberais como médicos, nutricionistas, dentistas, advogados, entre outros, que atendem a uma organização social ou pessoas carentes realizam ações individuais.
Participando de campanhas - Campanhas de doação de sangue, de alimentos, de coleta de livros, de brinquedos, de reciclagem de lixo, entre outras.
Unindo-se a grupos comunitários - Apoiando a escola pública local, a associação de moradores ou atuando em alguma necessidade específica da comunidade como urbanização, saneamento e saúde, etc.
Trabalhando em Organizações Sociais - ONGS que atuam em diferentes causas e oferecem inúmeras oportunidades nas áreas da saúde, assistência social, educação, cidadania, cultura, meio ambiente.
Participando de Projetos Públicos - Trabalhando junto às diversas secretarias municipais e estaduais que visam a melhoria da cidade e das condições de vida da comunidade.

Há uma lei que regulamenta o trabalho voluntário?

Promulgada em 18 de fevereiro de 1998, a Lei do Voluntariado (lei nº 9.608/98) representou um passo muito importante para a causa do voluntariado no Brasil. Há mais de uma década, somos um dos poucos países do mundo a contar com uma legislação tão inovadora, que em apenas três artigos regula o trabalho voluntário.
A lei estabelece que o serviço voluntário é uma “atividade não remunerada”, portanto, não gera vínculo empregatício e “nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim”. Para que isso se realize na prática, o voluntário deve assinar um Termo de Adesão com a entidade em que ele vai exercer seu trabalho.
Também estabelece onde o trabalho voluntário pode ser exercido, entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada sem fins lucrativos, “que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social”.
Em seu terceiro e último artigo, a legislação diz que o prestador de serviço voluntário poderá ser ressarcido por despesas que comprovadamente realizar no desempenho das atividades voluntárias, desde que estas despesas estejam expressamente autorizadas pela entidade a que for prestado o serviço voluntário.
Antes da lei, muitas organizações tinham receio de receber voluntários, pois estes poderiam vir a alegar vínculo empregatício. E as pessoas também temiam que, uma vez envolvidas em um trabalho voluntário, poderiam se ver diante de obrigações indesejadas. Por tudo isso a Lei do Voluntariado deu uma contribuição sem precedentes para a causa do voluntariado no Brasil e representou etapa decisiva para a profissionalização do Terceiro Setor.

Ser voluntário faz bem à saúde

Allan Luks, em The Healing Power of Doing Good, descobriu que pessoas que ajudam os outros têm consistentemente mais saúde. Em seu livro Luks mostra que ajudar os outros regularmente produz benefícios significativos para a saúde com efeitos semelhantes aos que experimentamos quando nos exercitamos, resultando na melhoria da saúde física e não apenas no bem-estar mental. O livro é um bom guia tanto para aqueles que já são voluntários quanto para aqueles que estão pensando na possibilidade de se tornarem voluntários através de ações individuais ou coletivas, superando o principal obstáculo que é a falta de tempo. O autor afirma ainda que quando nos preocupamos com os outros também nos preocupamos conosco, e é quase impossível ler este livro e não querer fazer o bem. 

Seja Voluntário

Existem diversas formas e oportunidades de participação voluntária, e seja ela presencial ou à distância, o importante é participar ativamente em alguma causa na qual se identifique e sinta prazer em ajudar. Mas lembre-se que comprometer-se com o trabalho voluntário exige responsabilidade e o fato de estar ajudando os outros não significa que seu trabalho não possa ser criticado. Então que tal dedicar parte do seu tempo ao voluntariado? Tem muita gente precisando da sua ajuda.

Mais informações:
www.riovoluntario.org.br
www.voluntariosonline.org.br
www.voluntarios.com.br
www.voluntariado.org.br
www.facaparte.org.br
www.redebrasilvoluntario.org.br
www.portaldovoluntario.v2v.net
www.acaovoluntaria.org.br
www.voluntariosemacao.org.br

Fontes
Instituto Faça parte 
Seja um  voluntário
Centro de voluntariado de São Paulo 

Renata Ribeiro
Nutricionista e voluntária compartilhando o bem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário